icone menu

Artigos

Timidez

Por Douglas Brito
Timidez

Ela sente vergonha de encarar, baixa os olhos e se esquiva. Para ela sentir-se observada é a pior sensação do planeta. Sua pele esquenta qual fogo e fica vermelha, as rosadas bochechas viram brasas de carvão. O ar falta e tudo treme. Tudo balança e seu coração acelerado a “bilhões” de batidas por segundo. O rapaz apenas perguntou seu nome, mas a reação em cadeia toda é deflagrada. Ela não tem voz para responder. Justo o rapaz mais bonito da escola. Fica calada e ele insiste. Ela balbucia algo tremendo meio que indefinível. A mão sua. Ela fica a maior parte do tempo calada, observando a situação. Depois passado o susto do beijo roubado, a saudade e a falta de coragem de pedir outro. Ela se mantém quietinha e observadora. A timidez é a dificuldade de um indivíduo de se expressar e, consequentemente, de se relacionar. Confundida com a introspecção e com a introversão, a timidez traz a marca da dificuldade, da socialização, da incompreensão e da solidão. Em um mundo maníaco e extrovertido, ser quieto e tímido passa a tornar-se um referencial de desajuste social. Mesmo porque, existe um padrão a se seguir, enquanto regras sociais para um bom convívio. Assim a sociedade fala muito dos problemas da timidez, mas muito pouco de suas vantagens. Pessoas tímidas são extremamente inteligentes e observadoras, sensíveis ao extremo. Utilizam sua capacidade racional bem mais que a população geral. Geralmente são perfeccionistas e detalhistas em tudo que fazem. Sua memória é bem ampla, lembrando de detalhes mínimos mesmo de fatos ocorridos há muito tempo. Sua cognição e sua percepção são mais apuradas. Lembrei-me de um senhor que conhecia, que tinha este perfil: um dia visitando uma amiga em comum, ele posteriormente relatou quantos metros tinha a sala que estávamos (cálculo feito contando os tijolos aparentes, de uma extremidade a outra da sala), quieto, nenhum detalhe lhe escapava. Até as cores das meias dos convidados ele percebeu. O que marca a timidez é a dificuldade em se expressar. Seja verbal ou fisicamente. Por pensar demais, o feitiço vira-se contra o feiticeiro e, o excesso de cobrança interior estilo: “o que vão pensar de mim” trava a pessoa tímida em uma relação interpessoal. Soma-se a isto a insegurança, o medo, o perfeccionismo. O excesso de cobrança é o que pode deixar a timidez em um grau mais patológico. Muitas pessoas abdicando da vida, se isolam para evitar o convívio. Muitos tímidos chegam virgens facilmente aos 30 anos, sem nenhum tipo de envolvimento afetivo. Esta regra é quebrada por vezes com a insistência e persistência de um candidato ao seu coração. Resumindo, tem de pegar no laço… A timidez por si só não pode, nem deve, ser considerada como uma patologia. Embora traga certa dificuldade de convívio, uma pessoa tímida deve acima de tudo se conhecer e aprender a respeitar sua natureza. Geralmente o que trabalhamos em consultório é a segurança do indivíduo, sua auto-estima, minimizando seu excesso de cobrança interior.

Artigos recentes

Mulher com sacolas de compras
Compulsão por compras

Oniomania – é o nome clínico deste transtorno psicológico, mais conhecido como consumismo compulsivo. Esta patologia – compulsão por compras foi considerada uma doença apenas recentemente, na década de 1980. Não existem estudos que comprovem as causas dessa doença, mas há algumas possibilidades. Uma delas está relacionada com a história comportamental da família do indivíduo. […]

Máscara pendurada no guidão da bicicleta
Isolamento social: equilibrando o corpo e a mente

As atividades de entretenimento e os exercícios físicos contribuem com o bem-estar durante o confinamento As medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a propagação do novo coronavírus impuseram uma nova rotina a milhões de pessoas. A interrupção do convívio social e a necessidade de implementar cuidados rigorosos com […]

Jovem distraído na escola
Inquieto ou Hiperativo

Qual a diferença entre a agitação natural das crianças e o transtorno de déficit de atenção? Certos sintomas de desatenção e hiperatividade ansiosa podem ser considerados normais em crianças que acabaram de passar por situações traumáticas como a perda de uma pessoa querida ou alguma frustração importante. Nesses casos, em geral as manifestações são passageiras. […]

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *