icone menu

Artigos

Sou Infeliz!

Por Douglas Brito
Mulher deprimida sentada no chão

Um dos maiores vícios que poderemos adquirir neste mundo de extrema mudança é da chamada autocomiseração ou como popularmente se diz ter dó de si próprio.

Muitas  vezes somos levados a esse comportamento pelo excesso de trabalho, pela rapidez das mudanças, pelas mudanças no comportamento de nossos clientes, pela concorrência acirrada  e  até  por motivos opostos como uma situação de desemprego, ameaça de privatização de nossa empresa ou de fusão, aquisição por concorrentes,  etc.,  etc.  Motivos não nos faltam para que  tenhamos dó de nós mesmos.

E as pessoas que conosco convivem sempre reforçam em nós esse sentimento, porque as conversas  sempre giram em torno das dificuldades, da correria, do estresse  do  mundo moderno, da falta de dinheiro, das oportunidades perdidas, etc.

Nossos próprios familiares e amigos, muitas vezes, com a intenção de nos compreender  e  de  nos  ajudar,  também reforçam a nossa dó de nós próprios dizendo:  – Você está trabalhando muito! Você precisa descansar mais! Essa empresa  está  matando  você….   E  com  isso  aumentamos ainda mais o nosso sentimento de autocomiseração. Cuidado!

Veja se você não está caindo nessa verdadeira armadilha mental de estar se achando a pessoa mais infeliz do mundo, no pior emprego, na pior cidade, no pior  país, na pior situação econômica, e até com uma família e amigos que não lhe compreendem, etc.Cuidado porque  você  acabará  acreditando nessas mentiras e desenvolverá ainda mais o dó de si próprio.

Que  a  vida  não  está  fácil  todos sabemos. Que o mundo mudou também sabemos.  Que  temos  que  trabalhar mais, nos comprometer mais, estudar mais, também  sabemos.  Mas,  com  certeza,  não  temos o pior emprego do mundo. Com certeza não somos as pessoas mais ?exploradas? do mundo. Com certeza não temos a pior família do mundo. E, certamente, não somos as pessoas mais infelizes do mundo.

Nesta semana, pense nisso. Será você tão infeliz?

Bom final de semana. Sucesso!

Luiz Marins, Ph.D.

Artigos recentes

Mulher com sacolas de compras
Compulsão por compras

Oniomania – é o nome clínico deste transtorno psicológico, mais conhecido como consumismo compulsivo. Esta patologia – compulsão por compras foi considerada uma doença apenas recentemente, na década de 1980. Não existem estudos que comprovem as causas dessa doença, mas há algumas possibilidades. Uma delas está relacionada com a história comportamental da família do indivíduo. […]

Máscara pendurada no guidão da bicicleta
Isolamento social: equilibrando o corpo e a mente

As atividades de entretenimento e os exercícios físicos contribuem com o bem-estar durante o confinamento As medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a propagação do novo coronavírus impuseram uma nova rotina a milhões de pessoas. A interrupção do convívio social e a necessidade de implementar cuidados rigorosos com […]

Jovem distraído na escola
Inquieto ou Hiperativo

Qual a diferença entre a agitação natural das crianças e o transtorno de déficit de atenção? Certos sintomas de desatenção e hiperatividade ansiosa podem ser considerados normais em crianças que acabaram de passar por situações traumáticas como a perda de uma pessoa querida ou alguma frustração importante. Nesses casos, em geral as manifestações são passageiras. […]

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *