icone menu

Artigos

O medo da desconexão

Por Douglas Brito
Desconexão

Ao longo da história, passamos por várias mudanças sociais, pessoais, culturais, filosóficas, enfim, tudo sempre mudou e no último século, estas mudanças vem acontecendo com muito mais rapidez e intensidade; uma coisa não mudou e nem mudará: o interesse do ser humano em se adaptar e feliz por sair na ‘vanguarda’ do que há de mais moderno no mundo…. seja com roupas, comportamentos, palavras novas que fazemos malabarismos nas estruturas das frases – faladas ou escritas para as encaixarmos, também nas manifestações artísticas, seja na música, nos filmes mais conceituais, queremos ser os descolados! O top do momento é a área tecnológica: queremos, precisamos, necessitamos urgentemente saber qual o aplicativo do momento que facilitará a nossa vida, que nos tornará mais evoluído no meio dos mortais que nos cercam e eis que são tantos que não conseguimos nem nos manter atualizados, tornou-se uma busca desmensurada e quando notamos, estes mesmos aplicativos que nos libertam de problemas diários, nos aprisionam, principalmente porque nem conseguimos utilizar tantos. E as redes sociais?? Qual seria a melhor definição para elas? A resignificação do sofrimento? Na minha opinião, nunca nos sentimos mais aprisionados do que estamos agora. Eu tenho acompanhado a evolução e o desenvolvimento destas redes; no começo, com a internet, havia um temor coletivo de que pudéssemos ficar escravos dos computadores, sem contatos sociais presenciais, o tempo passou, a evolução das redes passaram a possibilitar mais contatos, reencontros entre amigos afastados, grupos que pertenciam à determinada escola/época, um sem numero de relações criadas e recriadas, foi uma fase fantástica e continua sendo, mas estamos enfrentando uma nova fase de tudo isso: o descontrole coletivo, gerando problemas de diversas ordens. As pessoas não conseguem mais desconectar, sempre querendo saber quem quer falar com ela, quem mandou mensagem (que nunca foram tão urgentes!!), o que está acontecendo no mundo virtual, afinal, não podemos ficar desinformados, já que as informações são muitas e velozmente repassadas. Me pergunto, o que pode acontecer se durante uma sessão de cinema ou teatro, desligamos o celular, como sempre é solicitado? Não funcionará mais? Os aparelhos novos não vem mais com o botão liga/desliga (on/off)? E esta necessidade –excessiva de informações causam problemas que precisam ser avaliados e entendidos como similiares às dos dependentes químicos ou outras dependências.

Artigos recentes

Mulher com sacolas de compras
Compulsão por compras

Oniomania – é o nome clínico deste transtorno psicológico, mais conhecido como consumismo compulsivo. Esta patologia – compulsão por compras foi considerada uma doença apenas recentemente, na década de 1980. Não existem estudos que comprovem as causas dessa doença, mas há algumas possibilidades. Uma delas está relacionada com a história comportamental da família do indivíduo. […]

Máscara pendurada no guidão da bicicleta
Isolamento social: equilibrando o corpo e a mente

As atividades de entretenimento e os exercícios físicos contribuem com o bem-estar durante o confinamento As medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a propagação do novo coronavírus impuseram uma nova rotina a milhões de pessoas. A interrupção do convívio social e a necessidade de implementar cuidados rigorosos com […]

Jovem distraído na escola
Inquieto ou Hiperativo

Qual a diferença entre a agitação natural das crianças e o transtorno de déficit de atenção? Certos sintomas de desatenção e hiperatividade ansiosa podem ser considerados normais em crianças que acabaram de passar por situações traumáticas como a perda de uma pessoa querida ou alguma frustração importante. Nesses casos, em geral as manifestações são passageiras. […]

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *