icone menu

Artigos

Isolamento social: equilibrando o corpo e a mente

Por Douglas Brito
Máscara pendurada no guidão da bicicleta

As atividades de entretenimento e os exercícios físicos contribuem com o bem-estar durante o confinamento

As medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a propagação do novo coronavírus impuseram uma nova rotina a milhões de pessoas. A interrupção do convívio social e a necessidade de implementar cuidados rigorosos com a higiene, associadas ao temor pela contaminação são fatores que desencadeiam e evidenciam sensações que causam o desequilíbrio da saúde física e emocional, necessária para enfrentar os desafios da quarentena.

De acordo com o psicanalista Douglas Brito, o que torna esse período mais complexo é a necessidade do ser humano de viver em sociedade. “O isolamento ficou bem mais facilitado e menos entediante com as facilidades oferecidas pela TV, celulares e principalmente a internet, embora a incorporação dessas tecnologias no dia a dia esteja dando a impressão de que não temos entretenimentos. O resgate de atividades lúdicas e formas mais ‘rudimentares’, como a leitura de livros, jogos de tabuleiros e conversas em família têm sido utilizado com sucesso”, comenta.

Ele explica que a não assimilação da realidade foi marcante no primeiro momento do isolamento social, seguida pelas sensações de ansiedade, pânico e fobias, que acabaram perdendo força para algumas pessoas, quando não se concretizou a perspectiva de mortes em massa. “Por outro lado, estamos em uma etapa na qual os quadros depressivos têm tomado forma nos comportamentos. A depressão e todos os sentimentos merecem atenção, afinal, são questões individuais que, ao serem somadas, representam a sociedade em que estamos inseridos”, destaca.

A não assimilação da realidade foi marcante no primeiro momento do isolamento social, seguida pelas sensações de ansiedade, pânico e fobia.

Douglas ressalta que implementar uma rotina com exercícios físicos é fundamental para promover o bem-estar e amenizar os problemas que surgem nesse período. A prática de exercícios favorece o funcionamento geral do corpo e a oxigenação do cérebro, dificultando substancialmente o aparecimento de quadros ansiosos e depressivos. A exposição ao sol, fonte primária de vitamina D, dentro das recomendações médicas, aliada às condições de entretenimento disponíveis, também proporciona benefícios à saúde física e mental.

“Muitos sentimentos estão se apresentando agora porque estavam camuflados em diversas situações, como falta de tempo, multitarefas e uma infinidade de desculpas para não tratar questões emocionais e comportamentais. Mas se soubessem o quanto a vida fica facilitada quando passam a se conhecer, assumindo suas características, medos e até entendendo os motivos dos supostos prazeres – com a ajuda de um profissional experiente e qualificado – entenderiam que tudo isso é muito gratificante”, garante.

Artigos recentes

Mulher com sacolas de compras
Compulsão por compras

Oniomania – é o nome clínico deste transtorno psicológico, mais conhecido como consumismo compulsivo. Esta patologia – compulsão por compras foi considerada uma doença apenas recentemente, na década de 1980. Não existem estudos que comprovem as causas dessa doença, mas há algumas possibilidades. Uma delas está relacionada com a história comportamental da família do indivíduo. […]

Jovem distraído na escola
Inquieto ou Hiperativo

Qual a diferença entre a agitação natural das crianças e o transtorno de déficit de atenção? Certos sintomas de desatenção e hiperatividade ansiosa podem ser considerados normais em crianças que acabaram de passar por situações traumáticas como a perda de uma pessoa querida ou alguma frustração importante. Nesses casos, em geral as manifestações são passageiras. […]

Narciso contemplando seu reflexo
Sempre há um narcisista entre nós!!

Será que é o ‘outro’? ou este ‘outro’ sou eu? Quando o egocentrismo e a manipulação são fruto de uma personalidade patológica. A palavra Narcisismo (e suas variações) está presente em nosso vocabulário, principalmente quando associada às redes sociais. Vivemos na era do narcisismo. Como sobreviver no mundo do eu, eu, eu… Não quero usar […]

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *