icone menu

Artigos

Correr Riscos

Por Douglas Brito

Autor desconhecido

Rir é correr risco de parecer tolo. Chorar é correr o  risco de parecer sentimental. Estender a mão é correr o risco de se envolver. Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu. Defender seus sonhos e idéias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas. Amar é correr o risco de não ser correspondido. Viver é correr o risco de morrer. Confiar é correr o risco de se decepcionar. Tentar é correr o risco de fracassar. Mas os riscos devem ser corridos, porque o maior perigo é não arriscar nada. Há pessoas que não correm nenhum risco, não fazem nada, não têm nada e não são nada. Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas elas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem. Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade.

Somente a pessoa que corre riscos é livre! Seneca

(orador romano)

Objetivo:

Discutir e propor a reflexão baseada na disponibilidade para o novo, na mudança, no afrouxameto da rigidez e controle excessivos. Refletir sobre as privações auto-impostas pelo paciente e na importância de se viver o momento atual.

 

Artigos recentes

Mulher com sacolas de compras
Compulsão por compras

Oniomania – é o nome clínico deste transtorno psicológico, mais conhecido como consumismo compulsivo. Esta patologia – compulsão por compras foi considerada uma doença apenas recentemente, na década de 1980. Não existem estudos que comprovem as causas dessa doença, mas há algumas possibilidades. Uma delas está relacionada com a história comportamental da família do indivíduo. […]

Máscara pendurada no guidão da bicicleta
Isolamento social: equilibrando o corpo e a mente

As atividades de entretenimento e os exercícios físicos contribuem com o bem-estar durante o confinamento As medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter a propagação do novo coronavírus impuseram uma nova rotina a milhões de pessoas. A interrupção do convívio social e a necessidade de implementar cuidados rigorosos com […]

Jovem distraído na escola
Inquieto ou Hiperativo

Qual a diferença entre a agitação natural das crianças e o transtorno de déficit de atenção? Certos sintomas de desatenção e hiperatividade ansiosa podem ser considerados normais em crianças que acabaram de passar por situações traumáticas como a perda de uma pessoa querida ou alguma frustração importante. Nesses casos, em geral as manifestações são passageiras. […]

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *